<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7043313\x26blogName\x3dSociologia\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://sociologos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://sociologos.blogspot.com/\x26vt\x3d2985612518033734767', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

ciganos I

«Uma vez era uns ciganos que estavam a roda de uma fogueira bebendo. Só homens! Beberam, beberam, beberam, até que ficaram mareados. Um cigano mareado por um lado é bom, que fica muito alegre, mas por outro, às vezes, é mau, que lhe sobe o sangue logo à cabeça. Foi o que aconteceu nessa noite, começaram a discutir uns com os outros, já a brigarem. Um deles que estava com os nervos na cabeça jurou pela alma do seu pai que matava um. Lá os separaram, o tal que fez a jura foi pra casa e acalmou-se.
À noite do dia a seguir, o irmão do tal cigano, chegou-se ao pé dele e disse que ele tinha que cumprir a jura que tinha feito pela alma do pai. O cigano estava um bocado contrariado porque era amigo do outro. Mas a jura estava feita tinha que ser cumprida, senão a alma do pai ia ficar a penar pró resto da vida.
Ele estava a atrasar um bocado a matá-lo. Custava-lhe! Enquanto ele andava neste mata-não-mata, o irmão foi à pergunta desse tal cigano. Encontrou-o! Encontrou-o à noite a dormir escondido num celeiro. Puxou da faca, matou-o.
A jura não podia ser deixada em baldes. Por isso é que há mortes e grandes lutas entre ciganos. Quando um cigano jura tem que cumprir, atão pelos mortos não há nada mais sagrado.»

Esta história retrata bem a cultura cigana. Embora possa ser uma história violenta, através da visão da cultura dominante, evidencia os valores da cultura cigana. Através desta pequena história percebe-se a diferença cultural existente entre a cultura cigana e a cultura dominante.
Falar de ciganos sem falar de racismo, xenofobia, discriminação é uma tarefa árdua pois estas são as conotações normalmente associadas à etnia cigana. Raramente se fala da cultura cigana: da música cigana, da dança cigana, da tradição cigana. Fala-se igualmente de integração mas por via da aculturação que visa o desaparecimento da cultura cigana.
« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

21:18

Cara Ana,

Não será o sentido do comportamento padrão - de equivalência ao ser-se normal em tipologia sociológica - exactamente o reprimir das diferenças, que após reciclagem de valores, emergirão num lote pré-estabelecido pela sociedade ou, pelo menos, no interior axiomático de um estado-nação?
A diferença, enquanto estrutura aceite, só é permitida às classes dominantes, parafraseando Bourdieu.

A etnia cigana é, de facto, milenar. As tentativas para a sua extinção são incontáveis, porém socialmente só somos aceites, se diferentes, quando somos, paradoxalmente, semelhantes - em valores.

Gostei do texto e envergonho-me de não ter participado ainda de forma mais activa.    



10:59

O meu comentário, mais histórico do q os vossos tão "actuais", está no meu blog, post nº 1586.
Até cito um exemplo quase actual!    



03:51

Cara(o) amiga(o),

teria, com toda a certeza, o maior prazer em constatar o que afirma.
Todavia, apesar das indicações precisas quanto ao comentário, esqueceu-se de uma de importãncia vital: o endereço, ou pelo menos o nome, do blog em questão.
Se rectificar esse lapso passarei por lá com a devida atenção.

Cumprimentos.    



09:48

Ups! Estes comentários são estranhos!
Com um nº tão elevado só podia ser O Blog do Alex
http://oblogdoalex.blogspot.com    



01:58

Caríssimos:
este excerto faz parte de um trabalho que desenvolvi para Sociologia da Cultura. Irei publicar o resto. Julgo que encontrarão algumas ideias interessantes...    



14:34

espero que sim, quanto À publicação, pois confesso que está um pouco imperceptível a parte conclusiva. não critico, é minha constatação. qu'isto de texto em post é difícil quanto pro ensaio. hei-de voltar.
[quanto À milenar etnia, enfim...]    



23:17

CIGANOS e MINHOTOS

Todas as quartas-feiras reunem-se com o ar polido das roupas de feira, à noite para cânticos de uma religião de que não sei o nome. Depois do ritual liberatório invadem o café bebendo galões e chás de limão e dando doces e sumos às crianças que pupulam na rua aquela hora tardia.

Luis e Fernando eram dois irmãos minhotos: Luis tinha o condor de estar constantemente à pancada; um dia ao subir a escadaria que levava ao liceu levou uma cabeçada na cara. O irmão dois palmos mais alto deu uma tareia junto com o irmão entretanto restabelecido e a sangrar, ao desgraçado. Eu, João e Henrique ficamos a olhar enquanto que os dois comparsas do desgraçado faziam o mesmo. Luis contou-me mais tarde que um tio direito matou um homem a tiro porque estava a roubar fruta no seu pomar.Encontrei Luis anos mais tarde a frequentar um seminário, e ocupado a tratar de doentes mentais em Sintra, filhos escorraçados das nossas elites.

Que sei eu de ciganos, ou minhotos ?
Eu alfacinha, mistura de sangue beirão com minhoto?

Viriato    



20:36

成人論壇,080聊天室,080苗栗人,免費a片,視訊美女,視訊做愛,免費視訊,伊莉討論區,sogo論壇,台灣論壇,plus論壇,維克斯論壇,情色論壇,性感影片,正妹,走光,色遊戲,情色自拍,kk俱樂部,好玩遊戲,免費遊戲,貼圖區,好玩遊戲區,中部人聊天室,情色視訊聊天室,聊天室ut,成人電影,成人遊戲,成人文學,免費成人影片,成人光碟,情色遊戲,情色a片,情色網,性愛自拍,美女寫真,亂倫,戀愛ING,免費視訊聊天,視訊聊天,成人短片,美女交友,美女遊戲,18禁,三級片,自拍,後宮電影院,85cc,免費影片,線上遊戲,色情遊戲,日本a片,美女,成人圖片區,avdvd,色情遊戲,情色貼圖,女優,偷拍,正妹牆    



» Enviar um comentário