<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d7043313\x26blogName\x3dSociologia\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://sociologos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://sociologos.blogspot.com/\x26vt\x3d2985612518033734767', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

BOURDIEU

Pierre Bourdieu
Pierre Bourdieu legou-nos um jeito firme mas paradoxal, quase trágico, de encarar o ofício do sociólogo: um exercício contingente e problemático nos seus fundamentos mas que nem por isso perde autoridade e responsabilidade ao nível dos seus resultados.
Para Bourdieu, a relatividade do conhecimento sociólogo não justifica a demissão nem o laxismo, antes pelo contrário, exige um rigor redobrado. Esta atitude aproxima-o de Max Weber e retoma, de alguma forma, a aposta de Pascal num Deus Escondido, de existência incerta e demonstração improvável, mas que, apesar disso ou, melhor, por isso mesmo, requer uma profissão de fé mais ousada e mais radical.
Ao longo da sua carreira, Bourdieu deslizou de uma recusa extra-mundana do mundo, escudada na "ruptura epistemológica" do cientista social, para uma recusa intra-mundana do mundo orientada para a intervenção social. Expulsa no passado pelo cientista vigilante, quase paranóico, a figura do profeta acaba por regressar pela janela do intelectual empenhado na luta pela emancipação social. A desmontagem da dominação desemboca, assim, na denúncia da "miséria do mundo". Não é, porém, por estas artes que a obra de Pierre Bourdieu perde consistência, alcance e originalidade. Atravessa-a, de parte a parte, uma identidade e uma vontade a todos os títulos excepcionais.

Texto de Albertino Gonçalves

« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

01:34

Cara Ana,
Parabéns pela iniciativa. O blogue está impecável: ideia louvável, design sóbrio, aprumadinho... e, sobretudo, é extremamente interessante e útil. Muito útil. Fiquei positivamente impressionado.

Um abraço,
João L. Nogueira    



14:49

... o Bourdieu é um portento das ciências sociais ... ... sem dúvida uma das minhas referências ... ... muito bom o blog - desde já os meus parabéns ...    



» Enviar um comentário